segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Cenas karmicas ou de como eu devo ter sido má na outra vida

1ª - Não me convida para ir a Londres

2ª - Grita comigo e diz que vai levar a prima com ela, porque eu não quis ir e ela não está para ir sozinha

3ª - Faz anos, compro-lhe a prenda, passa-se uma semana, pergunto-lhe quando posso ir ter com ela para lhe entregar a prenda, não me responde

4ª - Diz-me que daqui por dois anos, quando eu ainda estiver desempregada como ela está, não vou ter assim tanta energia para continuar a enviar tantos curriculos por dia


Não sei onde fui arranjar estas amigas, mas o sítio deve ser um manicómio e ninguém me avisou...






domingo, 29 de janeiro de 2012

Mais uma semaninha que vai começar. E algures num dia que aí vem, haverá bolinho e velas para soprar...se me quiserem oferecer uma casita assim como esta, aceito de bom grado. Como alternativa, podem sempre enviar-me uma bicicleta, a minha está a precisar de reforma e com o bom tempo que tem estado é uma pena ficar em casa a transformar-me numa lontrinha...


sábado, 28 de janeiro de 2012


Acabam de me dizer que está na hora de pensar em dar um neto à minha mãe. Pus-me aqui a questionar-me, enquanto limo as unhas, será que agora basta estalar os dedos e as crianças aparecem-nos já vestidas e de fraldinha e tudo? É que se os bebés continuarem a ser feitos à moda antiga, está difícil, há áreas em que ainda não sou auto-suficiente... :s

Maybe i'm June and maybe you're Johnny, or not...



sexta-feira, 27 de janeiro de 2012



daqui

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Tenho dúvidas se ela é má e faz as coisas com intenção ou se é só burra. Se for esta última opção, é preocupante.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Programinha para hoje à noite

Ficar enroscadinha na manta a ver online o concerto solidário das Manhãs da Comercial. Já que não consegui bilhetes para ir ao Rivoli, ao menos tenho os pés quentinhos. :)

Como hoje

Há dias em que sinto que não chego, que devia ser mais, ser melhor.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Será que toda a gente sente que deve emitir uma opinião sobre assuntos que desconhece? E calarem-se e meteram-se na própria vida, não? Esta cidade é uma pequena ervilha, de facto, tudo se sabe, tudo é um bom pretexto para coscuvilhar a rotina alheia...sinceramente...

domingo, 22 de janeiro de 2012

É impressão minha ou o novo programa da TVI, com "famosos" a imitarem cantores, é um bocado a atirar pró esquisito?? Lembram-se de cada uma... O que vale é que já tenho um comando que funciona (5 meses após o meu pai ter deixado cair o último pelas escadas abaixo...lol) e isto de poder mudar de canal sem sair do lugar é qualidade de vida. :)

sábado, 21 de janeiro de 2012

Help me

Ando aqui às voltas com a minha vidinha e não sei o que hei-de fazer dela. Terminei a licenciatura há dois meses e até agora nada de emprego. Como estar parada é uma coisa que me mexe com os nervos e parece que estou estagnada, não tendo perspectivas que me saia o Euromilhões de forma a construir o meu próprio hospital, estou a pensar em estudar mais um bocado... Não era para ser já, mas postas as coisas deste modo... A questão é que ando meia confusa com a história das pós-graduações e dos mestrados... Vi uma pós-graduação que me interessou e que vai decorrer a partir de Março, o que me dá tempo para tratar da inscrição. Custa cerca de 2800€...não sei se é caro se é barato (quer dizer, para mim é caro, mas pelos valores que andei a ver, não há nada em saldos...). No entanto, fico sempre a achar que se calhar devia pensar primeiro no mestrado. O que acham? Alguém me pode esclarecer quanto a isto? Não sei em que investir primeiro, o que será melhor em termos de currículo...Precisava mesmo de uma ajudinha.

D. e a vida social

Fui ver as tunas, e sim senhora, há que admitir, de traje até parecem uns homenzinhos, vale a pena observar atentamente!:p

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

"Como é que se Esquece Alguém que se Ama? Como é que se esquece alguém que se ama? Como é que se esquece alguém que nos faz falta e que nos custa mais lembrar que viver? Quando alguém se vai embora de repente como é que se faz para ficar? Quando alguém morre, quando alguém se separa - como é que se faz quando a pessoa de quem se precisa já lá não está? As pessoas têm de morrer; os amores de acabar. As pessoas têm de partir, os sítios têm de ficar longe uns dos outros, os tempos têm de mudar Sim, mas como se faz? Como se esquece? Devagar. É preciso esquecer devagar. Se uma pessoa tenta esquecer-se de repente, a outra pode ficar-lhe para sempre. Podem pôr-se processos e acções de despejo a quem se tem no coração, fazer os maiores escarcéus, entrar nas maiores peixeiradas, mas não se podem despejar de repente. Elas não saem de lá. Estúpidas! É preciso aguentar. Já ninguém está para isso, mas é preciso aguentar. A primeira parte de qualquer cura é aceitar-se que se está doente. É preciso paciência. O pior é que vivemos tempos imediatos em que já ninguém aguenta nada. Ninguém aguenta a dor. De cabeça ou do coração. Ninguém aguenta estar triste. Ninguém aguenta estar sozinho. Tomam-se conselhos e comprimidos. Procuram-se escapes e alternativas. Mas a tristeza só há-de passar entristecendo-se. Não se pode esquecer alguem antes de terminar de lembrá-lo. Quem procura evitar o luto, prolonga-o no tempo e desonra-o na alma. A saudade é uma dor que pode passar depois de devidamente doída, devidamente honrada. É uma dor que é preciso aceitar, primeiro, aceitar. É preciso aceitar esta mágoa esta moinha, que nos despedaça o coração e que nos mói mesmo e que nos dá cabo do juízo. É preciso aceitar o amor e a morte, a separação e a tristeza, a falta de lógica, a falta de justiça, a falta de solução. Quantos problemas do mundo seriam menos pesados se tivessem apenas o peso que têm em si , isto é, se os livrássemos da carga que lhes damos, aceitando que não têm solução. Não adianta fugir com o rabo à seringa. Muitas vezes nem há seringa. Nem injecção. Nem remédio. Nem conhecimento certo da doença de que se padece. Muitas vezes só existe a agulha. Dizem-nos, para esquecer, para ocupar a cabeça, para trabalhar mais, para distrair a vista, para nos divertirmos mais, mas quanto mais conseguimos fugir, mais temos mais tarde de enfrentar. Fica tudo à nossa espera. Acumula-se-nos tudo na alma, fica tudo desarrumado. O esquecimento não tem arte. Os momentos de esquecimento, conseguidos com grande custo, com comprimidos e amigos e livros e copos, pagam-se depois em condoídas lembranças a dobrar. Para esquecer é preciso deixar correr o coração, de lembrança em lembrança, na esperança de ele se cansar."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Último Volume'

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Não nos deviam ter deixado ver tantos contos de fadas quando eramos miúdas, essa é que é essa

Terminei agora de ver o último episódio da última temporada de Gilmore Girls. Qual virá a seguir?

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Quando tive de fazer o meu projecto de investigação, não sabia se deste deviam constar agradecimentos ou não. Para prevenir, a minha orientadora disse-me "Olhe, escreva, e depois se for para colocar, já está feito, se não for, guarda para si, como recordação deste tempo." E assim fiz. Escrevi os agradecimentos em Junho. Não foi necessário inclui-los e ainda bem, porque hoje de manhã, abri o documento, estive a reler o que escrevi há 7 meses e posso dizer que alterei uma boa parte. As pessoas mudam, os agradecimentos também...e afinal, o que eu achava que era verdade na altura não era bem assim.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012



A fazer o ponto da situação e a tomar consciência de que a realidade talvez não vá ser aquilo que sempre se esperou. Se ontem estava reivindicativa, hoje estou só muito triste.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Para dizer isto...

A sério que quando li esta notícia, e tive de a ler duas vezes para ver se estava a perceber bem, pensei como é possível que existam criaturas assim. Então uma pessoa com mais de 70 anos não haveria de ter direito a realizar hemodiálise de forma gratuita porquê?? Após os 70 anos deixa de se ser pessoa e é-se lixo?? Ou as pessoas com mais de 70 anos fazem hemodiálise por capricho? Mas está tudo doido?? Só faltou dizer que os tratamentos deviam ser taxados com um iva de 23% por ser considerado um bem de luxo! Já nem têm vergonha de dizer estas barbaridades...

Ora que já não era sem tempo

Já pude pagar hoje o meu certificado e o diploma. E digo "pude" porque estive quase 3 semanas à espera que me deixassem fazê-lo...notas que se atrasaram a lançar, problemas de secretaria, não sei, algo desse género, e entretanto aqui a desgraçada que espere sentadinha. Não é que alguém me vá contratar a correr agora...mas nunca se sabe, posso precisar para concorrer a algum lugar, e preciso, de certeza, para poder mandar fazer a cédula profissional.

E a parte melhor...paguei 160 euros por estes dois papéis. 160 euros. Dois papéis. Mais alguém está aqui a ver um roubo ou sou só eu?? Esfolo-me para tirar o curso, gasto resmas de dinheiro nas propinas, nos transportes, em material, faço dois estágios quase a 100 kms de casa, pago ambos os alojamentos sem qualquer tipo de bolsa, desunho-me e no fim, tenho de pagar para ter acesso a uma coisinha que certifica que sim, que estive lá estes 4 anos e que passei com distinção! Descarados!

E sim, eu sei que para trabalhar só preciso do certificado, o diploma parece que é só para enfeitar...mas quando soube disto já tinha requisitado ambos e já não dava para anular...Mesmo assim, numa universidade pública, pelo menos o certificado deveria ter um valor irrisório. Esta coisa de quererem ganhar dinheiro a todo o custo dá-me cabo dos nervos!

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

O meu cérebro está a mingar. Preciso de novos projectos, coisas para fazer...sob pena de ele se extinguir por completo.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Idiota

E o pior é que vou ficar a remoer nisto.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Nora Roberts

Costumo ir à biblioteca daqui da cidade buscar toneladas de livros. Porém, como os dinheiros não são muitos, os livros mais recentes dos meus autores favoritos já têm uns séculos...por isso, uma amiga aconselhou-me a começar a ler a vasta colecção da Nora Roberts que lá se encontra. Já li o primeiro e o segundo livro de uma trilogia...até são engraçados, a escrita não é uma obra de arte, nada com muita profundidade, mas as descrições são bonitas e o enredo é bom para passar o tempo e desanuviar...mas ainda não sei bem bem se gosto mesmo. Já leram algum livro dela? O que aconselham?







domingo, 1 de janeiro de 2012

Desta vez, ao contrário do que aconteceu no fim de 2010 não pedi nada nem pensei muito em resoluções de ano novo. Na verdade, 2011 até não foi mau, ninguém da minha família esteve doente, todas as pessoas que cá estavam no ano passado, cá permanecem, os meus dois pirilampos (primos pequeninos de quem tanto gosto) estão cada vez mais adoráveis e fizemos vários programas juntos, e houve esse acontecimento tão importante para mim que foi o término do curso. Não me posso queixar. No entanto, há coisas que não deixam que me sinta mais feliz. Imagino que seja comum a mais de metade dos portugueses, mas gostei tanto do meu último estágio, vinha tão motivada, que agora sinto-me um pouco vazia por não ter emprego, por estar sem fazer nada...é óbvio que passou pouco mais de um mês e se calhar até é ridículo este pensamento, mas além de tudo o resto, gostava de poder ajudar mais aqui em casa, de contribuir para pagar algumas despesas, de poder oferecer aos meus pais um fim-de-semana descansado que tanto merecem...mas assim está difícil.

Há também a falta de um alguém. Fechei-me tanto estes últimos 3 anos...sempre à espera de quem chega e nunca vem...e sei que a minha primeira resolução para 2012 devia ser pôr uma pedra definitiva sobre este assunto, cortar completamente o contacto com ele, não permitir que entre na minha vida seja de que forma for. Conheci-o faz hoje 7 anos, nada vai mudar se não mudou até então. Mas ainda não fui capaz de tomar essa decisão, porque queria que quando fosse, fosse de vez, sem hesitações, e estou a ser fraca.

Este ano também foi bom para perceber quem são de facto os amigos com quem posso contar. Devo dizer que não sou tão boa a julgar personalidades quanto pensava...tornei-me muito próxima de pessoas com quem, inicialmente, nem tinha tanta afinidade, mas que nos momentos certos estiveram lá...afastaram-se de mim amigas que eu pensei serem para a vida. Não eram. Hoje mandei uma mensagem de bom ano novo, com os desejos que se costumam incluir, e foram sinceros. De volta recebi um "Obrigada, igualmente", seco. Percebi então que para 2012 a primeira coisa a fazer, é comprar uma agenda novinha em folha, escrever lá apenas os nomes e contactos das pessoas que valem a pena e deixar a agenda de 2011 no fundo de uma gaveta, para não mais lembrar.