domingo, 30 de novembro de 2014

Cá estamos...

Andei arredada daqui. Por nenhuma razão em especial...não sei. Já começaram as chamadas para defesa da tese, uma das minhas colegas já defendeu e duas vão defender amanhã. Ainda não tenho a apresentação completamente pronta, estou nervosa, muito nervosa, e com medo. É uma angústia quando penso nisso...Para melhorar a situação, é obrigatório ir trajada, eu que não fui à praxe, não tenho traje, não quis ter, agora só posso ir defender a minha tese de mestrado se for trajada. Tive de pedir um emprestado...mas vou ter de comprar uns sapatos, porque ao que parece ninguém calça o 35.
Entretanto, este ano, pela primeira vez desde que lá estou, vai haver jantar de Natal da clínica, pago pela clínica. Antes era prática comum, mas depois as coisas foram  ficando cada vez mais difíceis e não havia dinheiro para jantares. Fiquei muito contente por termos sido convidadas este ano, não pelo jantar, mas pelo que isso pode significar. Queria tanto que as coisas melhorassem...
Quanto às prendas de Natal, já avancei um bocadinho, só me faltam as dos meus pais (a da minha mãe não é uma prenda, é um milagre...pessoa dificíllll) e as dos meus pequenos, mas essas já tenho mais ou menos uma ideia. Então, aqui fica a lista deste ano, pode ser que dê para tirar algumas ideias:
O. - uma gola e uns brincos da Parfois
M. - uma gola da Parfois
M.- uma pulseira da Parfois
C. - uma pulseira linda e um lenço da Parfois (como se pode notar, arrumei metade numa só loja...:)
Filha da Cris - um livro da Alice Vieira
C. - um baton da Kiko (é para uma troca de prendas até 3 euros, os batons são óptimos e estão em promoção, vou lá comprar mais para outras trocas, tem cores mesmo giras, e outras ideias um pouquinho mais caras mas muito em conta, vale a pena...)
A árvore de Natal é que ainda está por fazer, mas também só amanhã é que começa Dezembro...

sábado, 15 de novembro de 2014

Comprei as três primeiras prendas de Natal! Este ano vou ter tudo pronto até ao final deste mês. (excepto a prenda da minha mãe...essa só lá para dia 24h ao fim da tarde...)

domingo, 9 de novembro de 2014

Os pinipons desta nossa vida

Elas chegaram agora junto de ti.
Elas pensavam que o mundo cabia inteiro nas paredes da sua casa, e que quem lá vivia eram os seus únicos habitantes. Terás de mostrar-lhes que não é verdade. 
Elas têm poucas palavras para nomear o que as rodeia. Terás de as ajudar a encontrar as que faltam. 
Elas vão ver o mundo com as cores que tu puseres em cada som e em cada gesto. 
Elas vão olhar para ti, aprender o teu nome, chamar-te por tudo e por nada, geralmente por nada. Que é sempre tudo. 
Vais mostrar-lhes como se vive com os outros, como se aceita quem não é igual a nós, tal como se aceita um desenho pintado com todas as cores do arco-íris. 
Vais aprender a ter de lhes dizer muitas vezes “ não”, sem te deixares levar pelo seu beicinho irresistível. Mas vais também dizer-lhes muitas vezes “sim” e sentir que é para ti que elas sorriem e estendem as mãos.
Vais levá-las ao jardim quando há sol, vais empurrar baloiços que chegam ao céu, vais assoar narizes cem vezes ao dia, vais fazê-las aprender a gostar de sopa, vais ler-lhes histórias e ensinar-lhes que todas as meninas têm direito a ser princesas, e todos os meninos têm direito a ser piratas das Caraíbas. 
Elas vão ser, naquele pequeno universo diário, os filhos que tens em casa, ou na escola, ou não tens, ou esperas vir a ter mais tarde. E por vezes podes sentir uns ligeiros remorsos por teres para elas o tempo que não tens para os teus. 
Elas levam-te nos olhos quando à tarde as vêm buscar. E esperas que te levem também no coração. 
Elas vão acreditar em ti como acreditam nas fadas e no Pai Natal. 
Elas vão pôr-te os nervos à flor da pele e fazer-te esquecer, por vezes, o que aprendeste, e perder a paciência que sempre julgaste inesgotável. 
Elas vão fazer-te suspirar pela hora do regresso a casa, vão fazer-te levar muitas vezes as mãos à cabeça e proferir intimamente palavras impronunciáveis. 
Porque elas são crianças. 
E porque tu és humana. 
 
Resumindo: elas vão-te fazer feliz para o resto da tua vida.

Alice Vieira