domingo, 9 de novembro de 2014

Os pinipons desta nossa vida

Elas chegaram agora junto de ti.
Elas pensavam que o mundo cabia inteiro nas paredes da sua casa, e que quem lá vivia eram os seus únicos habitantes. Terás de mostrar-lhes que não é verdade. 
Elas têm poucas palavras para nomear o que as rodeia. Terás de as ajudar a encontrar as que faltam. 
Elas vão ver o mundo com as cores que tu puseres em cada som e em cada gesto. 
Elas vão olhar para ti, aprender o teu nome, chamar-te por tudo e por nada, geralmente por nada. Que é sempre tudo. 
Vais mostrar-lhes como se vive com os outros, como se aceita quem não é igual a nós, tal como se aceita um desenho pintado com todas as cores do arco-íris. 
Vais aprender a ter de lhes dizer muitas vezes “ não”, sem te deixares levar pelo seu beicinho irresistível. Mas vais também dizer-lhes muitas vezes “sim” e sentir que é para ti que elas sorriem e estendem as mãos.
Vais levá-las ao jardim quando há sol, vais empurrar baloiços que chegam ao céu, vais assoar narizes cem vezes ao dia, vais fazê-las aprender a gostar de sopa, vais ler-lhes histórias e ensinar-lhes que todas as meninas têm direito a ser princesas, e todos os meninos têm direito a ser piratas das Caraíbas. 
Elas vão ser, naquele pequeno universo diário, os filhos que tens em casa, ou na escola, ou não tens, ou esperas vir a ter mais tarde. E por vezes podes sentir uns ligeiros remorsos por teres para elas o tempo que não tens para os teus. 
Elas levam-te nos olhos quando à tarde as vêm buscar. E esperas que te levem também no coração. 
Elas vão acreditar em ti como acreditam nas fadas e no Pai Natal. 
Elas vão pôr-te os nervos à flor da pele e fazer-te esquecer, por vezes, o que aprendeste, e perder a paciência que sempre julgaste inesgotável. 
Elas vão fazer-te suspirar pela hora do regresso a casa, vão fazer-te levar muitas vezes as mãos à cabeça e proferir intimamente palavras impronunciáveis. 
Porque elas são crianças. 
E porque tu és humana. 
 
Resumindo: elas vão-te fazer feliz para o resto da tua vida.

Alice Vieira

Sem comentários: