Avançar para o conteúdo principal

M.

Já sabia que estava doente, que andava a fazer quimio e radioterapia, mas sempre pensei que ia vencer. A última vez que estive com ela foi na semana anterior ao Natal.  Foi lá à clínica com a menina e levou-me uma caixinha de chocolates. Eu disse que não era preciso e ela disse "É preciso sim, não é nada comparado com o que faz pela minha filha, merece isto e merecia muito mais!" Vieram-me as lágrimas aos olhos quando a ouvi, e vieram-me as lágrimas aos olhos hoje, quando me disseram que tinha morrido este fim de semana. Não é justo, custa-me a aceitar que coisas tão más aconteçam a pessoas tão boas. Tinha 40 anos e um amor imenso pelas três filhas. A mais pequenina continua a ter terapia comigo. Não me sai do pensamento.
 

Comentários

Portuguesinha disse…
Fiquei confusa na interpretação... Morreu a mãe que estava doente com cancro mas a oferenda foi por ajudar a filha... no quê?

Sobre a morte acho que os «antigos» lá conseguiam compreender um pouco melhor os propósitos de tal desfecho dizendo «são os desígnios de Deus». Afinal, porque alguém fica gravemente doente? Porque temos de sofrer tanto? E morrer jovens? Bebés?

Acredito que existe um propósito para o sofrimento. Ainda que o desconheçamos - e existe tanto sofrimento que quase nos retira a fé! A crueldade é humana, não é divina. Talvez alguns sofram fome, miséria e doenças que levam à morte precoce para que a outra metade da humanidade reaja. Combata a fome, desenvolva o amor ao próximo, a empatia e não a apatia, aprenda a corrigir um qualquer defeito seu. Sei lá. São teorias minhas...

Quanto ao que sentes é perfeitamente natural. Mal seria se não te sentisses emotiva.

PS: Primeira visita, desculpa lá o grande texto!
D. disse…
Portuguesinha, a mãe estava com cancro, ofereceu-me os chocolates porque sou terapeuta da menina há bastante tempo, tenho acompanhado a família em algumas fases complicadas e foi uma forma de ela me dar um miminho.

Mensagens populares deste blogue

Temos vestido!

Quer dizer, eu tenho vestido. Vou ao casamento de um casal amigo de quem gosto muito (fui eu que os apresentei!) e vou ler durante a cerimónia e tudo e tudo, o casamento é daqui a três semanas e eu ainda não tinha vestido. Pois que hoje isso mudou, entrei numa loja, peguei em quatro vestidos jeitosinhos e o primeiro que experimentei foi amor à primeira vista. É curto, liso, muito simples, custou 60 euros e acho que vai ficar muito giro com uns acessórios. É azul cobalto (é assim que se diz, não é?), assim como os da foto abaixo. Só que agora não sei bem que cor de sapatos usar...estava inclinada para o tom nude, mas será que fica melhor com azul escuro ou preto? Que dizeis?

Dia triste

Não há palavras para descrever a tristeza que se viveu ontem e hoje em Pedrógão Grande. Perdas irreparáveis, vidas humanas, animais...tudo o que se conseguiu com tanto sacrifício. A natureza destruída. É de facto, muito triste...não imagino como seja estar lá, nem sei a aflição que sente quem viveu e vive tudo no local. Não podendo fazer nada de maior, podemos contribuir de algum modo para confortar um bocadinho quem tudo perdeu. Pensemos que pode acontecer a qualquer um de nós. Pelo que tenho visto nas redes sociais, podemos ligar para o760 100 100, e o valor de 0.50€ reverterá para as famílias vítimas deste terrível incêndio. A todos os que estão lá, na luta, CORAGEM!

Estou sem saber o que fazer. Esta devia ser uma época de paz interior e eu tenho o coração angustiado. A culpa é minha. Eu sei que vai acontecer, sei que ele volta sempre a desiludir-me, uma e outra vez...que é uma questão de tempo, e no entanto, nunca consigo ser mais forte, ser racional. Quantas vezes já tive esta conversa aqui? Sei lá! Posso garantir que não sou burrinha, que antecipo este momento há meses, não posso dizer que seja uma surpresa, mas é sempre uma desilusão. Acho que não gosto assim tanto de mim...